CLXV
Textos sobre Religião
O Único Caminho

Bem sabemos que o único caminho é a Cristificação do Homem, é a integração com o Ser e com estas forças que são a própria origem dele mesmo.

Somente o Cristo pode dizer: "Eu sou o caminho, a Verdade e a Vida".

As Instituições religiosas existem por muitos motivos, claro que o objetivo da religião é fazer esta ligação do Homem com Deus, com seu Deus, com a Divindade Natural que nos rege e guia.

A Religião se baseia em um sistema de Fé, aonde esta fé guiada por um ou alguns, determina o rumo de muitos.
Temos que diferenciar a Fé da Crença. Fé é ter ciência, ter compreensão e acreditar no que é justo e possível para a consciência perceber.
Crença é supor que algo impossível é real, é loucura.

A Fé é o que move as montanhas, porque é a vontade dirigida a um ponto possível e realizável, ainda que baseada em sabedorias mais além da parte tridimensional.


Então a criação dos sistemas institucionais se baseia nesta guiatura de um ou alguns para muitos, aonde se estabelece um sistema de fé aonde as vontades dirigidas buscam encontrar o caminho secreto.

Todas as grandes religiões do mundo triunfaram, porque tiveram iniciados que lograram penetrar nos mistérios, ainda que a grande totalidade dos povos os quais faziam parte, submergiram nestas involuções institucionais.

Nosso trabalho se divide em dois, um pessoal e outro institucional ou a nível de grupo se assim preferir.
O Pessoal é esta doutrina do "Bom dono de casa", aonde o homem busca a estabilidade moral e social. Tenta encontrar meios honestos de ganhar a vida (sustento) e perfeccionar-se por meio da iniciação e de suas obras.
No Lar está o núcleo e a base da Grande Obra. Porque é no Lar que somos absolutamente testados em nossas virtudes e claro aonde trabalhamos com o Fogo Sagrado, a Santa Alquimia.

Então claro, o Lar se relaciona principalmente com a Morte e a Alquimia.

A Contra-parte deste trabalho é o Sacrifício (pela humanidade) e o Despertar (da consciência), que como já dissemos tantas vezes são uma só coisa.
No sistema institucional encontramos a questão do Mestre e do Discípulo e a possibilidade do Discípulo se tornar Mestre.
Entendamos como Discípulo o que aprende e Mestre o que ensina; e não cabalmente como Perfeição do Adeptado a dita Maestria que nos referimos aqui.

Ensinar (boas obras, exemplo) é aprender e sacrificar-se é conquistar a Alma e integrar-se com o Ser.


Todas as instituições que ensinam o caminho tendem a sentir-se únicas, TODAS, sem exceção dizem que são o verdadeiro caminho, o único caminho.
Algumas dizem com razão e realmente são. Outras dizem porque os antigos diziam e isto se repetem geração após geração, como por um costume.

Bem, se todas são dito único caminho? Como todas poderiam ser?
Nisto há uma analogia que podemos facilmente explicar por uma comparação.
TODAS AS MULHERES SÃO SERPENTES DO ABISMO, menos a nossa.

Claro, somente um casal devidamente constituído, um homem e uma mulher poderiam trabalhar no Magistério do Fogo.
Qualquer outra mulher que não seja esta que tomamos, nos faria um aborto da natureza, nos romperia verdadeiramente o fogo sagrado interno.
Então claro tudo que não provenha desta primeira, nos é danoso, é nosso único caminho, não é verdade?

Primeiro somos livres para escolher, mas em um segundo momento somos escravos de nossas escolhas.

A Igreja, ou a instituição é o mesmo, ela detém fórmulas, conhecimentos e uma guiatura que se mesclamos a outras fórmulas, conhecimentos e guiatura, temos uma hecatombe absoluta sobre o trabalho individual que a pessoa está tentando realizar.

Por isto este protecionismo é tão necessário as instituições. Ter Fé verdadeiramente que aquele é o único caminho e que aqueles são os únicos ensinamentos que podem nos salvar, é ser salvo pela possibilidade do que é justo e verdadeiro.


Isto claro é o que se pede e o que se espera do Iniciado ou do Neófito em um primeiro momento.
Porque dizemos isto então em voz alta? Para que respeitem o trabalho dos demais, e acima de tudo para que sigam uma guiatura de uma destas instituições, se é que já não o fazem.

A Loja Branca necessita dos grupos porque é muito difícil assistir a cada um individualmente e todos os trabalhos internamente realizados podem ser complementados por inspirações e por instruções dadas por estes Sacerdotes que são este Elo entre o Mundo Espiritual e Físico.


Hoje em dia é muito difícil manter esta pureza doutrinal e esta guiatura institucional. Vivemos em uma era de informações e a voz sábio e o tolo tem o mesmo alcance graças aos meios de comunicação.
Em lugar de ter acesso a um livro, ou dez livros, temos acesso a milhares de livros e textos que infelizmente por mais parecidos que possam ser, causam mais divisão do que união. Corrompem esta fé única que o Neófito e o Iniciado deveriam ter.

Nosso trabalho aqui, infelizmente temos que dizer é para os perdidos, para os que não puderam cumprir esta regra e para que possam cumpri-la.
Preferiríamos sinceramente que cada um se integrasse com cada uma de suas instituições e perseguisse esta guiatura que cada uma tem a dar, do que estudar nossas palavras, porque sinceramente conduzem ao que estão evitando, o caminho institucional.


Sabemos que todas as instituições mesmo as recentes Instituições Gnósticas cairão, mas não temos escolha senão compartir com nossos irmãos em busca de nos tornarmos estes pilares deste templo para que esta abóbada não caia por sobre este povo, antes que estejam todos preparados para suportar cada um seu próprio deserto esotérico, coisa que muitos já vivem precocemente.

Enfim, certamente que de nada adianta estar em um grupo destes se não perseguimos a verdade que nos é ensinada e se apesar de fisicamente estar lá, psicologicamente e emocionalmente estamos já mariposando por tantas falsas luzes, porque não é a nossa e nem dos nossos guias.

Claro, chegará o dia que o Cristo haverá de nascer nesta pessoa, neste indivíduo e realmente a consciência triunfará sobre estas trevas interiores, então certamente cada um, tal qual o Mártir do Calvário, terá que ser crucificado.
O Filho que foi chamado a Luz e viveu nove meses sem ela, haverá de despertar e de por meio deste doloroso parto, ser chamado a sua Real Missão e sua função.
Mas até lá, temos que seguir nossos guias e Mestres.

22/11/12