CLXV
Textos sobre Religião
O Caminho do Matrimônio

Assim como o trabalho esotérico da Vida corresponde ao exercício de nossos dons Espirituais e nossa Vocação. O Trabalho relacionado ao caminho, em parte o encontramos na Senda do Matrimônio Perfeito.

A Base do caminho é Sexual, e é nisto que se fundamenta o caminho e a ascensão do fogo dentro do homem, do trabalho Alquímico, da realização do Batismo e do Matrimônio em fatos concretos.

Se na Vocação encontramos o Sacrifício pela humanidade e a Morte, é pois no Matrimônio que encontramos a Alquimia e o verdadeiro nascimento espiritual. É Aonde encontramos as forças e a base para este empreendimento de sacrifício e de morte de nossas aberrações interiores.

Alguns sei se perguntarão aonde nisto tudo fica o trabalho institucional, aonde se encaixa o que fazemos de ensinar estes mistérios, já que muitas vezes nossa vocação é outra.
O Trabalho institucional é uma maneira de realizar-nos em nossa vocação, de complementar o trabalho matrimonial e vocacional, já que nos ritos esotéricos de pão e de vinho, encontramos estes mesmos átomos crísticos.
Igualmente neste trabalho institucional encontramos meios para o sacrifício, para a morte por meio deste sacrifício consciente pela humanidade e mais que tudo, meios para nos desenvolvermos verdadeiramente em nossa vocação, já que no mundo nem sempre é possível.

Um Irmão que tenha como vocação a medicina, pode por meio do estudo esotérico e desta prática, desenvolver-se na medicina oculta. Outro que tenha por vocação o Sacerdócio, pode exercer este sacerdócio de forma idônea por meio desta instituição. Assim há espaço para tudo, se formos observar, pois tudo é necessário para o funcionamento desta engrenagem institucional (Instituições fisicamente mantidas pela Loja Branca).

Quanto ao Matrimônio e ao Trabalho Alquímico, nos dias atuais por nossa cultura, por nossas falhas humanas e debilidades, praticamente todos os casais se unem por uma conveniência, por paixão, por medo de solidão, por cobiças.
Raros se casam pelo motivo real do matrimônio, o Amor.

Claro que isto tudo acontece porque estes acontecimentos da vida são um reflexo do que existe dentro de nós e por sermos falhos, mesquinhos, cheios de conceitos equivocados sobre a vida e sobre a morte, nossa vida se torna um reflexo deste absurdo interior, e isto se reflete igualmente no matrimônio.

Todos os grandes homens foram casados, e se não foram, nem publicamente nem secretamente casados, se não exerceram o Matrimônio, não se auto-realizaram, não cumpriram a totalidade da Obra que lhes foi encomendada.

A Mente muito interfere na questão da expressão do Amor. A Mente não pode amar, ela conceitua, supõe, afirma, nega mas nada compreende verdadeiramente sobre o que é amor.

O Primeiro que necessita o homem é encontrar-se em sua vocação e disto fazer sua profissão, então torna-se possível o Matrimônio.
Sem condições mínimas para manter um lar, se torna impossível o matrimônio.


Claro que muitas mulheres e até homens, cobiçosos por ter mais e mais, por querer status fora do que é sua vocação ou o que lhe é direito, negam ao matrimônio, retardam-no para um momento em que supostamente seja mais oportuno.
A Verdade é que estes sempre fracassam.

Todos os Grandes Homens fizeram, ou pelo menos iniciaram seus grandes feitos, antes dos 30 anos de idade. Semearam suas Obras em sua juventude (A Segunda Juventude vai até os 35 anos) para que pudessem culminar colher seus frutos em sua maturidade e velhice.

A Beleza natural da mulher é fundamental, toda esta artificialidade existente é criada para afastar a mulher de sua natureza superior.
A Mulher veste-se e age como uma meretriz e acredita que com isto terá um bom futuro matrimonial, enquanto o que vai encontrar é apenas algum galã que se aproveitará dela e logo partirá para a próxima.

Os Homens de bem, os homens honestos, respeitadores, verdadeiros adeptos do Matrimônio Perfeito, não apreciam este tipo de artificialidade, buscam a pureza e a beleza natural, para desposarem-na.


O Amor é a única religião existente, ainda que seu culto, sua forma, tenha sido expresso sob diversos nomes e formatos.

Pelo Sacerdócio do Amor, nos realizamos em nosso trabalho Vocacional e Matrimonial.
A Vocação só é possível por meio do Amor, assim como o próprio Matrimônio.
Este duplo Sendero é a totalidade da Grande Obra.

Nos tempos atuais o Matrimônio tem cheiro de prostituição legalizada, o homem dá o sustento a mulher e ela se deita com ele mesmo sem amor, mesmo tendo asco deste homem.
Este tipo, assim como outros casos de matrimônios realizados por motivos equivocados, são verdadeiramente suplícios eternos para um ou ambos.

O Pior é que nisto tudo, quem mais sofre são os filhos, e toda esta atual humanidade que temos, está degenerada de tal forma, exatamente porque os pais agiram assim e claro transmitem por meio de seus genes, exemplo e de uma falta de estrutura real no lar, toda maldade humana.

Nisto fecha-se este ciclo vocacional, que os pais não são capazes de guiar e dar suporte a seus filhos e cada vez mais longe destes impulsos do Ser, fracassam vocacionalmente e por consequência Matrimonialmente logo em seguida.

Se queremos ajudar a humanidade, devemos nos dar a tarefa de reerguer estes dois pilares da Grande Obra em nossas vidas, reestruturar nossa vocação e nosso lar.

Paz Inverencial!

17/12/12