CLXV
Textos sobre Religião
O Prelúdio do Silêncio

O Poder de uma palavra está no fato dela não ser pronunciada, assim como o poder do mistério está nele não ser revelado.
Quando uma pessoa que quase nunca tem nada a dizer fala, pois as pessoas tratam de escutar, pois é um fato único.
Quando falamos demais, as pessoas já não querem ouvir, pois é algo a mais sendo dito.


O Silêncio e a calmaria costumam sempre antecipar grandes acontecimentos e grandes tempestades.
É um instante aonde o vento cessa, o calor não é escaldante mas não está frio, é quando o mundo parece ficar parado no tempo por alguns instantes, como que observando e esperando o que está para acontecer.
Então sente-se aquele cheiro de terra molhada, o vento sopra com mais força e logo chega a tempestade e os fatos já anunciados pela natureza.


Pode isto parecer algo meramente natural de uma natureza física, mas no esoterismo algo exatamente igual ocorre, constantemente.
Os Próprios Mistérios se revelam e se ocultam como a própria sístole e diástole de nosso coração humano.

Este período de silêncio é este recolhimento e este prelúdio de grandes acontecimentos. Se retêm, se purifica e se acumula, logo chegando com grande ciência e grande força.


Os Mestres nunca contaram e nunca poderiam nos contar tudo. Porque neste caminho, tudo é uma progressão e uma continuação constante e eterna até nossa auto-realização.
A Cada instante encontramos o novo e a verdade expressa em cada momento. O Que era já não é mais, e o que é, em breve não será, ainda que logo novamente volte a ser.

Encontramos a palavra no silêncio e só poderemos encontrar ele, no silêncio das palavras.


O Intelecto se alimenta de afirmações e negações e a consciência de compreensões.
Necessitamos encontrar a verdade e o silêncio, para que deles, surjam afirmações e negações condizentes com a verdade.


No silêncio se encontram todas as palavras, e neste prelúdio nos preparamos para esta batalha.


Hoje vivemos um destes prelúdios, rufam os tambores, aguardando fatos.


"Fui buscado dos que não perguntavam por mim, fui achado daqueles que não me buscavam; a uma nação que não se chamava do meu nome eu disse: Eis-me aqui. Eis-me aqui.
Estendi as minhas mãos o dia todo a um povo rebelde, que anda por caminho, que não é bom, após os seus pensamentos;
Povo que de contínuo me irrita diante da minha face, sacrificando em jardins e queimando incenso sobre altares de tijolos;
Que habita entre as sepulturas, e passa as noites junto aos lugares secretos; come carne de porco e tem caldo de coisas abomináveis nos seus vasos;
Que dizem: Fica onde estás, e não te chegues a mim, porque sou mais santo do que tu. Estes são fumaça no meu nariz, um fogo que arde todo o dia.
Eis que está escrito diante de mim: não me calarei; mas eu pagarei, sim, pagarei no seu seio,
As vossas iniqüidades, e juntamente as iniqüidades de vossos pais, diz o SENHOR, que queimaram incenso nos montes, e me afrontaram nos outeiros; assim lhes tornarei a medir as suas obras antigas no seu seio.
Assim diz o SENHOR: Como quando se acha mosto num cacho de uvas, dizem: Não o desperdices, pois há bênção nele, assim farei por amor de meus servos, que não os destrua a todos,
E produzirei descendência a Jacó, e a Judá um herdeiro que possua os meus montes; e os meus eleitos herdarão a terra e os meus servos habitarão ali.
E Sarom servirá de curral de rebanhos, e o vale de Acor lugar de repouso de gados, para o meu povo, que me buscou.
Mas a vós, os que vos apartais do SENHOR, os que vos esqueceis do meu santo monte, os que preparais uma mesa para a Fortuna, e que misturais a bebida para o Destino.
Também vos destinareis à espada, e todos vos encurvareis à matança; porquanto chamei, e não respondestes; falei, e não ouvistes; mas fizestes o que era mau aos meus olhos, e escolhestes aquilo em que não tinha prazer.
Portanto assim diz o Senhor DEUS: Eis que os meus servos comerão, mas vós padecereis fome; eis que os meus servos beberão, porém vós tereis sede; eis que os meus servos se alegrarão, mas vós vos envergonhareis;
Eis que os meus servos exultarão pela alegria de coração, mas vós gritareis pela tristeza de coração; e uivareis pelo quebrantamento de espírito.
E deixareis o vosso nome aos meus eleitos por maldição; e o Senhor DEUS vos matará; e a seus servos chamará por outro nome.
Assim que aquele que se bendisser na terra, se bendirá no Deus da verdade; e aquele que jurar na terra, jurará pelo Deus da verdade; porque já estão esquecidas as angústias passadas, e estão escondidas dos meus olhos.
Porque, eis que eu crio novos céus e nova terra; e não haverá mais lembrança das coisas passadas, nem mais se recordarão.
Mas vós folgareis e exultareis perpetuamente no que eu crio; porque eis que crio para Jerusalém uma alegria, e para o seu povo gozo.
E exultarei em Jerusalém, e me alegrarei no meu povo; e nunca mais se ouvirá nela voz de choro nem voz de clamor.
Não haverá mais nela criança de poucos dias, nem velho que não cumpra os seus dias; porque o menino morrerá de cem anos; porém o pecador de cem anos será amaldiçoado.
E edificarão casas, e as habitarão; e plantarão vinhas, e comerão o seu fruto.
Não edificarão para que outros habitem; não plantarão para que outros comam; porque os dias do meu povo serão como os dias da árvore, e os meus eleitos gozarão das obras das suas mãos.
Não trabalharão debalde, nem terão filhos para a perturbação; porque são a posteridade bendita do SENHOR, e os seus descendentes estarão com eles.
E será que antes que clamem eu responderei; estando eles ainda falando, eu os ouvirei.
O lobo e o cordeiro se apascentarão juntos, e o leão comerá palha como o boi; e pó será a comida da serpente. Não farão mal nem dano algum em todo o meu santo monte, diz o SENHOR.
"
Isaías 65:1-25

Aguardamos.

01/03/13