CLXV
Textos sobre Religião
O Gólgota da Alta Iniciação

Todo aquele que inicia no caminho, todo o profano que torna-se um iniciado, recebe internamente, nos mundos internos uma Cruz, que é a representação e o símbolo do trabalho que ele deve realizar.

Tornar-se um iniciado, é rebelar-se contra sua natureza inferior, efetivamente é isto que transforma um Profano em um Iniciado.
As Instituições, os Grupos que são Escolas de Mistérios, o que podem prover ao indivíduo, é uma transformação entre Profano e Neófito, no entanto o status de Iniciado, ele o conquista por si mesmo, ainda que indiferente a escolas esotéricas no mundo físico (pois pode tornar-se um iniciado internamente).

Hoje sabemos pela prática, por vivência direta, que há poucas Escolas de Mistério Autênticas no mundo físico, estas que dizemos podem conferir ao Profano o nível de Neófito e dar uma guiatura e uma instrução para que possa tornar-se um Iniciado.


O Iniciado é um rebelde, um revolucionário que luta contra todo o erro que leva em si mesmo, e desta rebeldia contra os elementos negativos interiores, se iniciam uma série de provas e de processos que o testam em sua vontade para com a Obra.
Ele deve purificar-se e liberar-se de cada um dos quatro elementos, os quais o provam sucessivamente.

Existem Nove Iniciações, nove Provas do que chamamos Mistérios Menores. Todo este processo destas nove provas, é um Drama o qual o iniciado vive tanto fisicamente tendo que lidar com situações que surgem naturalmente em seu dia a dia, como processos que vive internamente nos Mundos Superiores da Natureza, durante o instante aonde o corpo físico repousa em seu leito de descanso.


O Gólgota, a Alta Iniciação, é pois a culminação dos processos destas Iniciações Menores, e a transição, o inicio das Iniciações Maiores.

A Alta Iniciação, o Gólgota deste Iniciado que deve adquirir o Grau de Adepto, é pois um parto doloroso e sofrido que deve passar, para liberar-se de todas as luzes alheias, e encontrar sua própria luz que há de guiar e iluminar seu caminho, assim como o caminho dos demais que buscam sua redenção.

Na Culminação da Nona Iniciação de Mistérios Menores, passadas as provações relacionadas a vontade deste candidato trilhar o Caminho de sua Auto-realização, ele é internamente nestas regiões superiores da natureza, e quiçás no mundo, Crucificado.
Esta Crucifixão é Simbólica, e representa este processo de transição e de morte, para ressurgir como uma nova vida, mais espiritual e integrada com o Pai.


Neste Gólgota, o Cristo, este Homem em seu processo de transição, passa por um doloroso parto.
Tal qual uma Mãe, os Veneráveis Mestres, o Santo Gurú, o instruíam e o guiavam, lhe emprestavam uma luz que não era dele, pois não tinha condições de integrar-se e ser guiado por sua própria luz, pois não a tinha desenvolvido.
Então que este Gólgota é um parto doloroso, aonde o Iniciado vê-se desprendido destas Luzes que não eram suas e submerge em um caos espiritual aonde tem de encontrar sua própria luz não somente para si, mas para os demais que buscam este caminho secreto.

A Alta Iniciação, o Adeptado, é o instante aonde o iniciado aprende a caminhar com suas próprias pernas e já não depende de conceitos, de estímulos nem nada externo, tem em si mesmo tudo que precisa para trilhar seu caminho e realizar a Obra de sua Divindade Interior.

Neste mesmo processo da Alta Iniciação, a Alma Diamante fusiona-se com o Íntimo e então se inicia uma luta severa e contínua para resgatar esta Alma Animal, que em verdade somos nós como Homens.


A Transição entre estas luzes emprestadas e a integração com nossa luz interior é um processo doloroso e muito angustiante, representado pelo Cristo, naqueles instantes em que diz aquelas misteriosas palavras: "Pai, porque me abandonaste?".
E Em verdade são momentos de imensa solidão física e espiritual, necessárias para que este Homem possa aprender a guiar-se por sua estrela interior e não mais por estas estrelas que antes o orientavam desde o firmamento.

A Alta Iniciação, é o Primeiro Grande Deserto Esotérico que passa o Iniciado, e vencida esta etapa recebe o Título de Adepto e inicia verdadeiramente a Grande Obra.


Este Deserto Esotérico, pode se dizer inicia-se nos processos de Oitava Iniciação de Mistérios Menores e termina quando efetivamente se iniciam as Obras relacionadas as Iniciações Maiores (Primeira Iniciação de Mistérios Maiores).

A Iniciação é a própria vida, estas provas e estes processos esotéricos surgem como situações que cada pessoa deve lidar e decidir em sua própria vida.
Não há nada na vida de um iniciado que não seja avaliado, e há muitos processos e iniciações ocultas em meio a estas Arcadas Iniciáticas.

A Iniciação é o processo de reintegração com nossa Divindade Interior, a Iniciação é um processo, antes de mais nada, de purificação, de preparação para que esta pessoa seja digna para integrar-se com sua Divindade Interior.


A Vós que hoje estejais no deserto de vossa solidão, perseverai, vigiai, que antes da construção do Grande Templo, haverás de encontrar a Pedra fundamental de vossa Obra, vosso próprio Ser.

Paz Inverencial!

29/04/13