CLXV
Textos sobre Religião
A Segunda Montanha

Há ensinamentos, há detalhes do ensinamento, dos mistérios do caminho, que temos que ter muito claros, exatamente para saber que processos vive a humana pessoa, e que processos está passando o Ser.

Quando falamos da Primeira Montanha, estamos falando dos processos de criação dos Corpos de Fogo, ou Corpos Solares, que são o fundamento para que possa por meio deles expressar-se o Cristo Íntimo, este Cristo Íntimo é o Ser de cada pessoa.

Encarnar o Ser, realizar-se como Mestre é o que cabe nesta primeira etapa, destas três montanhas que todo iniciado deve trilhar para auto-realizar-se totalmente.

Cada um destes corpos deve passar por uma morte, pois são corpos lunares, e por meio da Alquimia, devem surgir os Corpos Solares, estes que são capazes de aguentar a voltagem deste Cristo Íntimo, nosso Real Ser.


Para os processos de Segunda Montanha, temos que desintegrar estes corpos Solares, de Fogo, e criar os Corpos Existênciais do Ser, ou Corpos de Ouro, que servirão de assento para que possa se expressar por estes veículos o verdadeiro Cristo, o autêntico Cristo mais além da força que é o Íntimo, o Cristo Íntimo.

Viver os processos de Segunda Montanha é seguir o mesmo exemplo que viveu publicamente o Cristo Jesus e demais Mestres que encarnaram a força Cristo.
O Ensinamento deixado tal qual foi expresso pelo caminho do Gólgota, é este mesmo processo de Segunda Montanha aonde o iniciado por meio destes padecimentos e destes estigmas, prepara-se para encarnar ao Cristo. Este Cristo mais além do Cristo Íntimo, do Ser de cada um.


Todos os sofrimentos descritos na vida de Jesus, os mesmos padecimentos, igual deve viver o iniciado que prepara-se para encarnar ao Cristo.
Os Estigmas recebemos nestes dolorosos processos de Segunda Montanha.
Antes da ressurreição do Cristo dentro do Iniciado, este deve receber os estigmas do Cristo.
Para cada estima existem provas específicas e extremamente dolorosas. Cinco são os estigmas e os recebemos na seguinte ordem: um em cada mão (69), um atravessando os dois pés (0), a coroa de espinhos (1), e a lança no flanco (8) nos abre o estigma final.

Neste processo de Segunda Montanha, o caminhante vê-se completamente só, como se estivesse abandonado.
Mas ao final de todo este sofrimento e de todo este doloroso processo, é quando o Cristo-Íntimo funde-se a esta força Universal, Cristo.

É Óbvio que o trabalho nos Três Fatores de Revolução da Consciência é o que precisamos para ascender esta Segunda Montanha, mas algo muito superior ao que é realizado no decorrer da Primeira Montanha.

Os Estigmas do Cristo são os Chacras de cada uma destas regiões as quais correspondem, totalmente desenvolvidos, purificados e integrados com a Consciência e as Virtudes.

"É uma beleza o corpo astral de um cristificado; a ferida em seu flanco é profunda, e seus estigmas nos pés, mãos, locais de flagelação, e a coroa de espinhos, dão ao corpo astral esta divina beleza do mártir do Gólgota." - Apontamentos Secretos de um Gurú, Samael Aun Weor

09/05/13