CLXV
Textos sobre Religião
A Comprovação do Caminho

Todos aqueles que ingressam no caminho, o fazem ainda que por um impulso divino, de forma inconsciente.
Diremos inconsciente, porque apesar de estarem sendo levadas por um impulso superior e divino, não o compreendem nem o seguem conscientemente. Em outras palavras, não estão auto-conscientes.

Quando iniciamos a trilhar o caminho, dependemos de nossos guias, do que nos ensinam e do que nos dão de exemplo as demais pessoas que concorrem nesta mesma jornada que nos propomos.

Sempre nesta longa jornada, passamos por um momento, aonde Tomé (ou Tomás), surge dentro do Iniciado como este Apóstolo do Cristo Íntimo.
Este é um processo doloroso e sensível, aonde o iniciado vê-se perdido, porque Tomé só aceita ao Cristo Íntimo e nada mais.

"Tomé que existe dentro de cada um de nós deposita a sua mente nas mãos do Cristo Íntimo e somente aceita o Cristo Íntimo." - Pistis Sophia Desvelada, V.M. Samael Aun Weor.


Neste momento o que é emprestado, deve tornar-se próprio. A Luz que tínhamos como alheia, volta-se a esta busca por nosso Cristo Íntimo que há de guiar nossos passos dali para frente.


Existe este relato que Tomé ao ver o Cristo, pede-lhe para tocar suas chagas, porque quer comprovar que ali está o Mestre.

Tomé dentro do iniciado, relaciona-se com a compreensão, também como um dos intérpretes de nossa Divindade Interior.

Este apóstolo nos confere esta busca pela verdade e por conseqüência de uma revisão de tudo aquilo que temos intelectualmente como memória, para que seja compreendido e comprovado como verdade, ou refutado e desalojado como conceitos.

Tomé simboliza o fim dos conceitos, e o início da verdadeira compreensão e comprovação em fatos, do que são os mistérios.

Tomé, Felipe e Mateus, são os verdadeiros escribas de nossa Divindade Interior.


Quando Tomé surge no iniciado, ele confere esta fé consciente pelo caminho, porque compreende o iniciado, por ele mesmo, por meio desta visão que lhe dá o Cristo por meio deste apóstolo interior, a realidade de tudo que tem de viver.
Cada um destes apóstolos, são partes autônomas do Ser. Autônomas porque agem de forma independente e tem uma consciência própria, como no mundo representaram a personificação de cada um destes apóstolos no drama crístico.


08/07/13