CLXV
Textos sobre Religião
O DRAGÃO NEGRO

Em nosso trabalho espiritual, temos uma cadência de trabalho que cada vez nos permite enfrentar e desintegrar forças negativas maiores dentro de nós mesmos.
Existem na simbologia dos dragões, três tipos importantes que valem a pena ser recordados, neste sentido que estamos aqui hoje tratando:
- O Dragão Amarelo, que simboliza o Cristo;
- O Dragão Vermelho, que simboliza nossos defeitos, as Sete Cabeças de Legião;
- O Dragão Negro, que é a personificação dos três traidores do Cristo, o Desejo, a Má Mente e a Má Vontade.

O Enfrentamento com o Dragão Vermelho se dá na Primeira Montanha, a luta contra o Dragão Negro ocorre nos processos de Segunda Montanha.

Esta lenda, esta história deste evento íntimo que acontece dentro e fora de cada indivíduo, já foi contada de muitas formas e sob muitos nomes, mas talvez a mais interessante e a mais simbólica, tenha sido na Lenda de Hiram Abiff.

Claro que há um drama bem conhecido desta luta contra o Dragão Negro, muito bem retratado pelo Cristo Jesus, aonde é perseguido e morto por Judas, Pilatos e Caifás, os Três Traidores.


Certamente que no mundo, todo iniciado em seu processo de Cristificação, encontrará seu próprio Judas, Pilatos e Caifás.

Quem queira aplausos, quem queira que todos concordem e o amem, certamente não está pronto para o caminho Crístico, que como vemos é um caminho cheio de incompreensões, de martírios e de sofrimentos... ainda que ao fim, mesmo que com a morte, se alcance a vida eterna e a absoluta integração com o Pai que está em segredo.

Estes três traidores, vemos referem-se a uma rebeldia, uma contrariedade ao Cristo. O Primeiro Traidor está contra a Natureza; O Segundo Traidor está contra a Ciência; O Terceiro Traidor está contra a Verdade.

"O primeiro é o que golpeia a Hiram com a régua, assim os justos são assassinados em nome da Lei e a Ordem. O segundo golpeia ao Hiram com a alavanca, assim é como os preconceitos e crenças de cada época levam à morte os grandes iniciados. O terceiro rematou ao Hiram com o martelo, assim é como a violência de cada época assassina aos justos e proíbe a difusão da Doutrina Secreta." - A Montanha de Juratena, Samael Aun Weor

Todo autêntico iniciado, sempre foi, é, e sempre será perseguido, porque segue o rumo da natureza espiritual que lhe guia, e por isto que o persegue o primeiro traidor que não aceita que a natureza siga seu curso, no sentido de eventos que inevitavelmente tem de acontecer.
O Segundo assassino do Cristo, o ataca, porque o iniciado foge dos padrões que ele entende por correto, porque "aqui isto está estabelecido" e ficam presos a teorias e não aceitam a ciência pura do espírito sendo executada pelo iniciado.
O Terceiro traidor e o golpe fatal, a batida do martelo, vem daqueles que tentam proíbir os justos na difusão da doutrina secreta.

Hoje no mundo, realmente não falta um Pilatos, um Judas ou um Caifás na vida de um iniciado. Claro que este drama se vive tanto dentro como fora do homem.

Ainda que no mundo, tenhamos estes personagens, dentro de nós isto se refere a este processo relativo a solarização e cristificação dos corpos Astral, Mental e Causal. Que em nós são o Desejo, a Má Mente e a Má vontade.

Hiram no homem, inicia seus trabalhos, no inicio dos processos de Primeira Iniciação de Mistérios Maiores. Quando o Kundalini desperta seu ascenso, o trabalho de Hiram começa.
Em certo momento, nestes eventos relativos à Terceira, a Quarta e a Quinta Iniciação de Mistérios Maiores, é quando se desenvolve estes processos da luta com cada um destes traidores dentro do homem.

Então vemos que também em uma Primeira Montanha, já nos deparamos com estes traidores, na verdade em cada uma das iniciações maiores, eles já se fazem presentes, para que se desenvolva o drama de cada uma destas iniciações. Como bem sabemos, o que difere, é a intensidade, e a amplitude destes processos.
O Verdadeiro e ultimo Dragão Negro, lidamos nos processos de Segunda Montanha.

"Os 27 Mestres que saíram a procurar o primeiro traidor se dividiram em três grupos de nove. Estes três grupos praticaram pelo Oriente, pelo Meio-dia e pelo Ocidente." - Samael Aun Weor
6 (6 invertido = 9), 1+8 (9) e 9;

"Isto nos recorda as três portas do templo: Homem, Mulher, Sexo. Somente baixando à nona esfera (o sexo), podemos encontrar o Príncipe deste Mundo, para decapitá-lo." - Samael Aun Weor
Homem (1), Mulher (0) e Sexo (8);

"Os Mestres encontraram o primeiro traidor escondido entre a caverna do desejo. Assim, o Mestre decapita o primeiro traidor" - Samael Aun Weor

Caverna do desejo = 6;

"O Segundo traidor foi achado pelo segundo grupo de nove Mestres, metido dentro da caverna da mente, ... Isto aconteceu aos dezoito dias da partida, ..." - Samael Aun Weor

Passado 18 dias, 1 e 8 centrais, chegando ao 9 da direita.

"O terceiro grupo de nove Mestres encontrou o terceiro traidor e teve que se defender com muito valor porque o terceiro traidor se defendeu heroicamente com a tocha da má vontade. O mais grave é que o terceiro traidor tentava lançar-se ao abismo" - Samael Aun Weor

A Tocha da Má vontade é o 1 sobre o 8; O abismo é o 0 abaixo do oito.


Claro que em toda a história há muitos mais detalhes, como que o 6 se torna 6, porque simboliza a mão de Hiram, defendendo-se do ataque à garganta, do primeiro traidor. A Própria localização no templo aonde ocorrem estes ataques, vemos fica descrita no Símbolo CLXV, e eis que encontramos a verdadeira palavra perdida, aquela anterior ao reencontro com Hiram, aquela que só ele conhecia, que estava guardada aos que completassem a prova.

Uns certamente pensarão que então é um símbolo negro, já que demonstra e relembra a morte do Cristo, mas recordemos que a Cruz, é o símbolo máximo do Cristo, como relembrança de seu martírio e dos sublimes e tão necessários processos que tinha que viver.


07/08/13