CLXV
Textos sobre Religião
A Cruz e o Cristo

A Cruz é o símbolo máximo de toda autêntica religião divina.
A Cruz com seus dois madeiros representam sempre diferentes mistérios, uns cada vez mais elevados que os outros.

A Nível público a Cruz é um símbolo histórico do drama que viveu o Cristo, uma relembrança de seu martírio, de sua paixão e de seu sacrifício.
Para os Iniciados a cruz simboliza desde a união das duas polaridades (homem-mulher), até uma série infinita de sabedoria que rodeiam a Grande Obra.

Uma das muitas formas que podemos explicar a Cruz é no que diz respeito aos Três fatores de revolução da consciência.

Com a Alquimia, com a Magia Sexual, com a Transmutação da Energia sexual, pomos em atividade, criamos em nosso caminho o madeiro vertical; Pois é pela iniciação que vamos ao Espírito, é esta ligação entre o Abismo que nos encontramos e o Céu estrelado.

Conforme morremos em nossos defeitos, eliminamos de nosso coração, de nossos sentidos, a maldade, o erro, matando estes defeitos e encarnando as virtudes correspondentes, desenvolvemos esta haste horizontal; O Madeiro horizontal representa a purificação que temos de passar no caminho, é aquele ponto matemático aonde o fogo (o madeiro vertical) chega na altura do coração e com isto representa aquelas mesmas Asas Ígneas do Caduceu de Mercúrio.
Com a morte de nossos defeitos arrojamos ao abismo estes demônios que levemos em nosso interior, porque dali para cima não podem subir tais entidades que necessitam ser desintegradas. Pois só pode entrar ao céu o que provém do céu, e o demônio, nossos defeitos psicológicos não descenderam do céu e por isto não podem entrar nele.

Da união do Nascer com o Morrer, podemos tomar nossa cruz e seguir até o Gólgota do Sacrifício.
O Sacrifício pela Humanidade é o exercício e o esforço que faz o iniciado, não apenas em benefício de si mesmo, mas para com seus irmãos, por seus semelhantes.

A Cruz diviniza realmente, ela é quem dá ao Cristo sua redenção.
Mas o Cristo se deixa crucificar não para chegar ao Pai somente, mas para que por seu sacrifício, possa dar a vida, dar a luz, a toda a humanidade.

O Que nos eleva é o Nascimento Alquímico e a Morte Psicológica, mas o que nos faz ficar na terra, é o Sacrifício pela Humanidade.


O Supremo sacrifício é uma vez tendo chego ao Gólgota da Alta Iniciação, não abandonar a humanidade.
Foi assim e é somente assim, que os Grandes Mestres podem chegar a iniciação venusta. a Iniciação do Amor, de Vênus.

Somente os Bodhisatwas de coração compassivo, que sacrificam a felicidade do Nirvana (Paraíso) pelo esforço de guiar, de ajudar e de acompanhar a humanidade, tem o direito de chegar as regiões super-nivânicas e ao Absoluto (Deus Imanifestado).
A Iniciação venusta só é possível depois de tendo concluído a Grande Obra (chego até a Quinta Iniciação de Mistérios Maiores), e ter renunciado o nirvana, por diversas vezes. Na verdade é só assim que nasce o Bodhisatwa.

Ninguém poderia chegar ao Pai sem ter formado a Cruz e Sacrificado-se por meio dela.

16/08/13