CLXV
Textos sobre Religião
O Grande Sacrifício

Existem épocas e momentos muito marcantes no que seja a história da humanidade e certamente instantes que fazem estremecer não apenas o mundo físico mas todas as regiões do cosmos.
Também há instantes de inteira comoção para com o que seja o que um indivíduo tem de passar.

E nesta junção de grandes eventos do que seja Histórico e do Íntimo, de um destes nobres personagens temos o caso do Nascimento de Jesus.

A História que temos como a vida de Jesus, é o drama que sempre correspondeu e sempre corresponderá viver cada indivíduo que busque a Grande Realidade, a Verdade, o Cristo, ou como queiramos chamar.

O Momento que é comemorado na transição do 24 para o 25 de Dezembro, é algo que não está apenas ligado a Jesus, pois em fatos vemos relaciona-se com os movimentos do Cristo Sol, força esta que está mais além de nosso sol físico mas cujo drama é representado nas rotações dos planetas, nas estações, etc...

Jesus viveu em fatos, em sua carne e com seus ossos, aquilo que de forma esotérica, simbólica, temos nós de viver nas regiões superiores da natureza, e também por meio de certos eventos físicos os quais representam estas vivências internas.

Antes de pensarmos em um natal, muito, muito, realmente muito antes disto, necessitamos cruzar o Umbral do Mistério, vencer ao Terrível Guardião, àquele que já recebeu muitos nomes, e que já foi avistado de muitas formas, aquele cujo nome alguns dizem ser: O Terror do Umbral.

Para que um profano, uma pessoa comum possa entrar na corrente da luz, para que possa ser admitida nos mistérios e receber toda a ajuda que necessita, ela precisa vencer a esta força que nela é o maior empecilho para que possa vir a integrar-se com a Grande Luz.

O Guardião deste Templo, é o Grande Tentador que oferece muitos prazeres, vícios, comodidades, e tudo quanto há no mundo, em troca de que desistamos deste augusto caminho.

Cruzar o Umbral, desafiar a seu Guardião é pois de fato “A Grande Prova”, o primeiro passo rumo a Luz ou rumo às Trevas.
Vencer a este personagem, renunciar à sua tutela e seus impulsos bestiais, é pôr-se com pés firmes em direção à luz. Ser derrotado é ser amaldiçoado e ficar escravo de dito guardião.

Claro que esta não é uma luta de um instante, nesta primeira prova o vencemos, escapamos de suas garras, mas há de vencer a cada um dos atributos materiais que ele oferece.


Vemos que o caminho que conduz ao Natal, ao nascimento deste Cristo no processo da Alta Iniciação, é um ascenso de constantes sacrifícios.
Afinal sacrificamos nossos desejos egoístas, nossos defeitos, nossas debilidades e assim vamos apagando a mancha deste habitante do Umbral.

Uma vez que o candidato tenha vencido a tão maligna criatura, oferecem ao candidato sucessivamente cinco dons, cinco bem aventuranças para que abandone o caminho.
Isto constitui o que conhecemos como as provas dos elementos.
Cada elemento tem na vida uma forma, uma manifestação e o candidato tem de abrir mão de cada uma destas coisas, e optar pela Grande Obra, se anela seguir em frente.

“O caminho é doloroso porque deves renunciar a tudo quanto abriga em teu coração, para que este coração e o Espírito estejam livres”.

Amor, Fortuna, Fama e Poder.
Amor sendo correspondente ao elemento Água;
Fortuna correspondendo ao elemento Terra;
Fama corresponde ao elemento Ar;
Poder corresponde ao elemento Fogo;

Assim o candidato é provado em seu valor e em seu anelo pelo espírito, os dons e poderes que ele irá adquirir, os terrores que ele terá de enfrentar, dependem desta absoluta negação da matéria e da constante e permanente afirmação do Espírito.

Conforme avança, naturalmente vai desenvolvendo dons que talvez nem ele mesmo perceba ter, mas substitui sentidos humanos por sentidos divinos e passa a ser guiado por forças internas e íntimas que são o que ele é nas regiões mais sublimes da natureza.

Muita dor aguarda o candidato desta perigosa senda, é realmente um caminho de privações, de martírios e de suplícios indizíveis.
Os poderes surgem conforme se ausenta o desejo de possuí-los e a intenção de utilizá-los.
Não existe melhor juiz do que aquele que não quer exercer seu juízo senão em necessidade, aquele a quem tudo acusa, tudo julga gratuitamente, é pois um candidato a que perca esta capacidade. E Claro que quando o faz, não o faz em causa própria, mas visando o bem comum, e acima de tudo o que dita o espírito.

Nove são as provas que conduzem ao processo da Alta Iniciação, aí já surge aquele processo da anunciação aonde outros nove simbólicos meses representando o sexo, exigem que o candidato baixe a esta Nona Esfera, crie os corpos solares e por meio da virtude e também do impulso do terceiro logos, faça acender e ascender estes fogos que ao percorrerem as trinta e três câmaras de nossa coluna, deste templo físico, culminam com este processo que chamamos “Natal”, O Natal só é possível graças a Belém, a Torre de Fogo a qual temos de edificar, é em Belém que sempre nasce o Cristo, pois a Luz sempre brota do Fogo e este das entranhas da terra.

Em vão comemoraremos todos os natais no mundo, se não realizamos este natal dentro de nós.
Que os sábios Mestres se apiedem de ti que em vão buscou trilhar o augusto caminho e que em meio ao Terror da noite e do Umbral desmaiou nas mãos de teu maior inimigo. Buscai a virtude, buscai o que é justo, jejuai, guardai castidade, o Terror do Umbral ainda pode ser desfeito, avivai a virtude e ele é quem se desfalecerá.

Paz Inverencial.

24/12/13