CLXV
Textos sobre Religião
O Trabalho de Moisés

Entramos em um momento da história aonde inevitavelmente mais uma vez se repetem eventos e cenas que já ocorreram, ainda que sob um outro nível.
A Criação se dá em diferentes dimensões e sob diferentes patamares; O Átomo une-se e forma a célula, as células se unem e formam os órgãos, estes órgãos em sua totalidade vem a formar uma unidade humana, o conjunto de unidade humanas formam uma família, o conjunto de famílias formam uma sociedade, e o conjunto das sociedades formam uma humanidade e assim sucessivamente.
Mas a criação tem pontos aonde ela repete seus ciclos, afinal a semente humana que tornou-se homem (homem ou mulher), vê-se atraída ao seu complemento sexual e estes unidos, por meio de sua semente particular vem novamente a criar e repetir este ciclo.
Assim como para que haja esta nova vida, não apenas o homem e a mulher devem unir-se, mas em outro nível, a energia sexual masculina e feminina também deve realizar o mesmo prodígio, são eventos idênticos operados em diferentes níveis.

Na humanidade há momentos aonde surgem eventos e situações em que esotericamente tem de surgir ainda que em escalas menores ou maiores, personagens de outros tempos, na verdade, pessoas que cumpram novamente com missões que apesar de já terem sido feitas, necessitam ser repetidas em diferentes escalas.
Afinal a criação de um mundo é feita da mesma forma que cria-se um novo corpo físico para abrigar uma Alma, também uma galáxia é criada da mesma forma, pela energia sexual, ainda que em uma escala sobre-humana.
Imaginar que o Cristo Jesus, que o Cristo João Batista, que todos estes demais seres que encarnaram a força Cristo e se sacrificaram, foram os únicos que viveram este mesmo drama, é algo no mínimo absurdo. Claro que há diferentes escalas e diferentes que diferentes seres tem de viver estes mesmos processos.

Apesar de tanto ter sido dito sobre a iniciação, sobre os trabalhos no decorrer das Três Montanhas iniciáticas, a verdade é que muito pouco sabemos a respeito.

A Natureza tende a recriar em cada raça, em cada era, e em diferentes escalas, personagens para cumprir com determinadas funções, determinadas ações necessárias sejam mecânicas, sejam transcendentais.


A Verdade é que cada um tem a visão interna daquilo que necessita realizar, das missões e das funções que necessita cumprir, ou colaborar.
Se todas as pessoas, se todos os Adeptos, se todos os Mestres vissem a totalidade, pudessem observar tudo o que tem de cumprir cada um, seria um verdadeiro caos. Cada um tem a visão e a percepção dentro daquilo que lhe cabe.

Dizia o V.M. Lakhsmi que o Mestre é um Chofer, um motorista que leva outros até determinado ponto e claro passa por onde é necessário. Mas que se este Chofer dissesse o destino final, aonde pretende levar estes aos quais tem de passageiros, qualquer um poderia matar o Chofer e tomar a direção do veículo.
Isto esotericamente tem muito sentido e é claro que este é o motivo que muito raramente um Mestre saiba qual é a missão do outro, ou mesmo entre os iniciados, ou adeptos. Por isto também que houveram disputas no passado, pois cada um sabia a sua parte, mas incompreendida o outro.


Existem no mundo duas leis, a chamada Primeira Lei, e a lógicamente dita Segunda Lei.
A Primeira Lei é a Lei Divina, a Segunda Lei é a Lei Humana ou escrita. Mas não estamos nos referindo aos códigos penais, sim a lei Divina desdobrada em sua forma material, como é ensinada e defendida de forma incompreendida pelas pessoas.

Conhecer, falar dos mandamentos e compreender os mandamentos em seu formato transcendental, são coisas completamente distintas, quase opostas. E não apenas os mandamentos mas todos estes princípios e leis que regem a vida como um todo.

Falar de leis e mandamentos e esquecer de Moisés é algo certamente impossível.
Moisés é um destes princípios, um destes personagens que a natureza tende a recriar ao final de cada raça. Mas mais além deste Moisés bíblico que cumpre esta função ao final de cada raça, há outras recriações similares, em escalas diferentes, aonde é necessário este principio.


E a história de Moisés é sempre a mesma...

"E será isso por sinal sobre tua mão, e por frontais entre os teus olhos; porque o Senhor, com mão forte, nos tirou do Egito.
E aconteceu que, quando Faraó deixou ir o povo, Deus não os levou pelo caminho da terra dos filisteus, que estava mais perto; porque Deus disse: Para que porventura o povo não se arrependa, vendo a guerra, e volte ao Egito.
Mas Deus fez o povo rodear pelo caminho do deserto do Mar Vermelho; e armados, os filhos de Israel subiram da terra do Egito.
"
Êxodo 13:16-18


"E aconteceu que, na vigília daquela manhã, o Senhor, na coluna do fogo e da nuvem, viu o campo dos egípcios; e alvoroçou o campo dos egípcios.
E tirou-lhes as rodas dos seus carros, e dificultosamente os governavam. Então disseram os egípcios: Fujamos da face de Israel, porque o Senhor por eles peleja contra os egípcios.
E disse o Senhor a Moisés: Estende a tua mão sobre o mar, para que as águas tornem sobre os egípcios, sobre os seus carros e sobre os seus cavaleiros.
Então Moisés estendeu a sua mão sobre o mar, e o mar retornou a sua força ao amanhecer, e os egípcios, ao fugirem, foram de encontro a ele, e o Senhor derrubou os egípcios no meio do mar,
Porque as águas, tornando, cobriram os carros e os cavaleiros de todo o exército de Faraó, que os haviam seguido no mar; nenhum deles ficou.
Mas os filhos de Israel foram pelo meio do mar seco; e as águas foram-lhes como muro à sua mão direita e à sua esquerda.
Assim o Senhor salvou Israel naquele dia da mão dos egípcios; e Israel viu os egípcios mortos na praia do mar.
E viu Israel a grande mão que o Senhor mostrara aos egípcios; e temeu o povo ao Senhor, e creu no Senhor e em Moisés, seu servo.
"
Êxodo 14:24-31

13/03/14