CLXV
Textos sobre Religião
Impulso Espiritual

É muito normal ouvirmos relatos de pessoas que tiveram em algum momento de suas vidas algum tipo de impulso espiritual, uma intuição, um sentimento sobre-humano que lhes tomasse por alguns momentos. Normalmente as pessoas tem estas percepções, estes impulsos, percebem estes desígnios do espírito mas logo voltam a suas atividades normais, seus afazeres do dia a dia.

Certamente atender este chamado, cultivar esta percepção interna, é algo que realmente poucas pessoas se deram a tarefa de realizar.
A vida cotidiana atual é algo que consome todo o tempo das pessoas, ninguém tem tempo para o belo, para o harmonioso, para o justo. Vivemos hipnotizados e alienados das realidades internas.

O Mundo é uma ilusão que precisamos compreender se é que de verdade queremos chegar a perceber as regiões internas da natureza, aonde encontra-se a verdadeira realidade, mais além das formas, dos desejos, dos pensamentos.

Algo que precisamos compreender é a necessidade de dar a devida atenção a estes momentos únicos aonde o Ser, a Consciência se põe a dialogar, a guiar a pessoa humana. Recordemos ao mandamento "Santificar as Festas". Santificar as Festas certamente é dar esta devida importância e atenção a estes momentos aonde nos integramos com o frações do Ser, aonde cria-se este elo com a consciência.

O Que desenvolvemos com esta integração com o Ser, é a Inquietude Espiritual, é esta constante busca pelo Divino. Esta inconformidade com o mundo meramente mecanicista e esta constante busca pela superação do que somos.
Isto é o que necessitamos para que possamos nos manter neste constante estado de Alerta-Trabalho, para que possamos realmente nos auto-observar, conhecer a nós mesmos no sentido mais íntimo e mais profundo e realizar estas purificações necessárias para a completa expressão do Ser e da Consciência.

Há os que vivam a vida comum e corrente, e há os que integrem-se com estes impulsos do Ser e voltem-se para o Espírito.
Dizem os Mestres que há de transferir o "Centro de Gravidade" da Personalidade para a Consciência.


É muito raro e muito difícil quem saiba lidar com estes Impulsos Espirituais. As pessoas chegam a relatar a outras este "sentimento" que lhes toma em determinado momento, causando inclusive alterações biológicas nos momentos destes impulsos. Mas como estamos acostumados a vida comum e corrente, aquilo acaba mal interpretado, pois a expressão da consciência por ser contrária a vida que leva a pessoa, quase sempre chega com um ar de tristeza, de contrariedade, então as pessoas põe isto de lado porque não estão dispostas a passarem por estes "Sacrifícios Conscientes" e estes "Padecimentos Voluntários".

E infelizmente não há outra maneira de seguir o caminho. As instituições esotéricas, as grandes religiões são ferramentas muito úteis no auxílio do indivíduo e das massas, mas a Obra, a realização da Grande Obra, é algo íntimo e que fazemos a nível individual. Dependemos de aprender a perceber, interpretar e seguir estes impulsos espirituais que recebemos de maneira consciente e positiva.

Dizemos isto neste momento porque há muitas pessoas que simplesmente são levadas por aparências, por ações externas, por normas e nada disto relaciona-se com a Obra que temos de realizar. Uma pessoa poderia fazer um trabalho institucional, e nada realizar em prol da Obra que cabe a cada um realizar.
E infelizmente, afortunadamente, como diz o Mestre Samael, se a pessoa nada faz por si mesma, não terá condições de fazer algo verdadeiro pelos demais.

Porque é a consciência quem sabe mais além das aparências como e quando devemos agir e de que maneira nos cabe intervir em relação aos demais.
Há muitas coisas "boas" que fazemos a alguma pessoa, que se observamos espiritualmente, terão mau resultado no futuro de uma pessoa. Por isto que sabemos que o Abismo está pavimentado de boas intenções. Necessitamos da guiatura da Consciência.

"Sob a figura de um ser de Jaspe e Sardônico da cor de chama, sentado em um Trono Incandescente e fulgurante, São João descreve o dono do Universo." - A Grande Rebelião, Samael Aun Weor

23/05/14