CLXV
Textos sobre Religião
Sacrifício pela Humanidade

Sacrifício pela Humanidade... realmente nos traz grandes reflexões este fator de Revolução da Consciência, uma das bases de nosso trabalho Espiritual.
O Próprio termo, deixando de lado os conceitos conhecidos, já nos recorda os outros dois fatores, pois o "tornar-nos humanos", depende que criemos os Corpos Solares, e necessitamos sacrificar a energia material (transmutação da energia sexual) em prol desta transformação interna, e na criação dos Veículos de Bodas, como citado em passagens sagradas. Então é um sacrifício por nossa própria humanidade (ato de tornar-nos humanos), a Alquimia, a transmutação sexual, o Arcano AZF (Ato sexual sem a perda da energia sexual, sem o orgasmo).

A Morte de nossos defeitos é igualmente um sacrifício pela humanidade, por nossa própria humanidade (tornar-nos humanos) e em parte pela humanidade (pessoas que habitam este sofrido planeta). Quando sacrificamos o que somos, nossas debilidades, nossos erros, nossos delitos, tornamo-nos algo novo, e claro passamos por esta humanização, que além de trazer infinitos benefícios a nós mesmos, causa um efeito direto sobre as pessoas ao nosso redor. Afinal vale mais o exemplo do que a palavra, ensinamos verdadeiramente com os nossos atos, antes de mais nada.

Algo que nunca podemos esquecer é o exemplo que a força crística nos dá a cada momento, e que nos exemplificou em fatos, através de seus Mártires.
Se observarmos o que viveram os Grandes Mestres da humanidade, o que viveu Jesus, Buda, é óbvio que encontramos o sacrifício do egoísmo, de sua vontade pessoal, de sua existência individual em benefício do todo, isto é o que o impulso crístico gera dentro de um indivíduo.


O Sacrifício é sempre algo proporcional ao esforço do indivíduo. Muitas vezes vemos algumas pessoas fazendo grandes coisas, mas se formos observar a fundo a questão, vemos que ensinam algo que dominam plenamente, vemos que suas boas ações, não atingem o patamar de sacrifício, visto que não lhes é um sacrifício realizar.

Há uma parábola bíblica que exemplifica muito claramente isto:
"E, olhando ele, viu os ricos lançarem as suas ofertas na arca do tesouro;
E viu também uma pobre viúva lançar ali duas pequenas moedas;
E disse: Em verdade vos digo que lançou mais do que todos, esta pobre viúva;
Porque todos aqueles deitaram para as ofertas de Deus do que lhes sobeja; mas esta, da sua pobreza, deitou todo o sustento que tinha.
" - Lucas 21:1-4

E dizemos isto simplesmente com o intuito de valorizar o esforço dos pequenos. Pois vemos como muitas pessoas, apesar de sua dificuldade em entender os ensinamentos, se esforçam em compartilhar aquilo que sabem, e realmente passam por processos surpreendentes de superação, de esforço para lograr aquilo que se propuseram. Vemos quantas pessoas sofrem muito em suas vidas, não tem tempo sequer para viver sua própria vida, ainda assim encontram tempo para ajudar a tantos quanto encontrem em seu caminho, e lhes digo que isto é o louvável nisto tudo e que grande parte das vezes tem um valor muito maior do que aquele que domina plenamente um tema e o compartilha.

Assim que é uma questão de esforço e de proporções isto do Sacrifício. Como no exemplo bíblico, quem tem pouco e dá muito do que tem, pode e provavelmente está fazendo muito mais do que quem tem muito e dá pouco, porque na proporção o primeiro se esforçou muito mais.

Por isto que no trabalho Crístico a Obra tem de ir tomando proporções cada vez maiores. Imaginemos por um instante o que um Cristo encarnado tem de realizar para que sua Obra seja realmente um sacrifício...

Vemos que algumas vezes a Obra destes seres transcende sua própria natureza, e estrapola o limite da Criatura, tornando-se algo mais amplo e de maior dimensão do que "ele próprio". Aí vemos o caso dos Mestres de Mestres, seres mais além da própria Maestria que instruem e que formam Mestres, exatamente porque não seria um sacrifício ensinar a humanidade simplesmente, senão que faz-se necessário ajudar a outros para que ajudem à humanidade.

Assim vemos o caso das instituições, do surgimento de um povo, formado exatamente para atender ao processo da Obra de algum Mestre que necessita realizar uma Obra por meio de um Povo, já que sua Obra está terminada e depende agora de dar seguimento em outra esfera superior de trabalho.


Isto de instituições, de grupos, é algo também muito interessante de analisar. As Instituições são para as pessoas como os Planetas são para as Almas; prisões, bênçãos... aonde cada um é atraído de acordo com a sua natureza.


E Reforçamos que não há como comparar o que uma pessoa realiza com o que o outro realiza, porque cada um vive um momento diferente, e tem um impulso diferente, o importante é saber deixar-nos guiar pela Consciência, saber reconhecer estes desígnios do Ser, e sabê-los executar dentro dos parâmetros que este nos indique para que seja realmente um Sacrifício digno pela Humanidade e que possamos realmente irmos avançando cada vez mais dentro do que seja a Obra que o Ser de cada um de nós tem de realizar.
E não se preocupem se o que fazem é para uma, ou dez pessoas, se a abrangência que tem é local ou mundial, porque vale mais o esforço que temos de realizar para cumprir com estes sacrifícios do que a amplitude dos mesmos. O Que a divindade nos pede é que haja o real esforço, e não que sejam grandes coisas.


17/11/14