zzzzzzzz

 

CLXV
Textos sobre Religião
Deus e o Dinheiro

Já há muito tempo vemos que a maior preocupação das pessoas tem sido em seu sustento. Certamente que o sustento das necessidades básicas de cada um não é algo a ser ignorado, mesmo assim, muitas vezes e em geral, exagera-se.

O Dinheiro em si é uma criação que precisa ser entendida para que o usemos a nosso favor e não contra nós mesmos.
Há muitos distúrbios psicológicos que estão relacionados a aquisição e gasto dos recursos financeiros. Há os que acumulam, há os que esbanjam, há de tudo e infelizmente tudo isto sempre traz inúmeros sofrimentos a todos.

O Dinheiro surge sempre como uma ferramenta auxiliar as trocas.
Basta imaginarmos que o padeiro nunca conseguirá trocar seus pães por tudo que precisa, e os pães sabemos são perecíveis.
Assim mesmo que o padeiro trocasse seus pães por arroz, por feijão, por ferramentas, haveria sempre algo que ele não poderia comprar pois o produto que ele precisa é de alguém que já tem seu fornecedor de pães ou não consome nada que o padeiro da explicação fornece.
Assim é como sempre surge uma moeda comum que serve de unidade para a troca por qualquer item que precisamos.

A Nível conscientivo, a nível espiritual, o Dinheiro em si é negativo, pois desvaloriza o serviço de muitos bons homens que estão dentro de sua vocação, já que damos valor exagerado a algumas coisas e subestimamos outras que em geral são espiritualmente muito mais importantes que aquelas que damos o valor exagerado.
Com o dinheiro surgem juros, taxas, acúmulos, abusos, roubos, de uma maneira a ser uma ferida cada vez mais profunda e negativa na vida de todos.

Claro, muitos dirão que seria uma utopia, uma loucura a vida sem esta moeda comum de troca, e que ninguém trocaria certas coisas por pães ou por comida que em geral tem um custo menor que outras coisas industrializadas e que levam mais tempo e esforços para serem construídas.
Não discordamos, pois a moeda, e a forma que nos relacionamos com os demais, incluindo a forma como fazemos estes negócios, é um resultado do nível de consciência da humanidade atual e realmente sem uma mudança no mais profundo de cada um, não é possível ser diferente.


Nos dias atuais sabemos é impossível, realmente impossível viver sem ter algum dinheiro. Afinal mesmo que vivamos afastados de tudo e de todos, se moramos em algum lugar nas montanhas, ainda assim haverá impostos a serem pagos, dentre outras coisas que exigem dinheiro. Então que nos momentos atuais, vale como nos relacionamos com o dinheiro, já que não temos como evitá-lo totalmente em definitivo.


"Nenhum servo pode servir a dois senhores: ou há de odiar a um e amar o outro, ou há de aderir a um e desprezar o outro. Não podeis servir a Deus e ao dinheiro." -
Lucas 16:13

Há pessoas que vivem pelo dinheiro, para o dinheiro. Todos seus problemas se resumem a conseguir recursos e a gastar estes recursos. Isto obviamente é algo totalmente arbitrário ao sentido da vida e por consequência a Espiritualidade e a integração com Deus.
Em geral quanto mais dinheiro a pessoa tem, mais ela gasta, mantendo um nível de vida desnecessário e prejudicial a si mesmo e aos demais.
Sempre que alguém acumula recursos, é porque alguém está perdendo recursos...


Algo muito difícil de misturar é a parte Espiritual e a Financeira. Pois como é dito pelo Apóstolo Lucas, não podemos servir a Deus e ao Dinheiro.
Isto claro usam muitas Pseudo-Religiões para fazer com que seus afiliados doem seu sofrido dinheiro para fins que nem sempre são necessários ou esperados pela Divindade.
Em geral as Instituições Religiosas, todas elas, deveriam realmente absterem-se de pedir recursos, ou de dar sermões sobre a parte financeira secretamente ansiando pelo dinheiro de seus seguidores, e sim dedicarem-se a guiar estes povos a esta reintegração com a Divindade, com os valores espirituais até então perdidos e esquecidos.
Assim cada um, por sua própria consciência, por um estímulo realmente Divino, fará o que cabe fazer, sem que a religião torne-se um meio a mais de roubar os pobres de espírito.



"Não andeis, pois, inquietos, dizendo: Que comeremos, ou que beberemos, ou com que nos vestiremos?
Porque todas estas coisas os gentios procuram. Decerto vosso Pai celestial bem sabe que necessitais de todas estas coisas;
Mas, buscai primeiro o reino de Deus, e a sua justiça, e todas estas coisas vos serão acrescentadas.
Não vos inquieteis, pois, pelo dia de amanhã, porque o dia de amanhã cuidará de si mesmo. Basta a cada dia o seu mal.
" - Mateus 6:31-34

15/12/15